Murilo Gun

Quem está online

Temos 30 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos



EU SOU AQUERONTE PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

(não tenho ventre e a luz

em mim foi dilacerada)

Sou o acesso à terra da aflição (líquida)

pago infernal pego profundo antro

de onde nem gemidos escapam

(para fora de minha ribeira atra)

sou alimento de treva, ergástulo da alma.

 

Istmo sombrio que ligue

Aqueronte  hórrido, de águas

ígneas e destras

ao arcádico Estige

afluente  sórdido recrio na página.

Por ele flui poema absoluto.

Rio de soberbas

águas amaras

(não rima com escaras)

rio movido a

vendavais hereges

e heréticas espumas que jorram

ao céu tenebroso

rio de águas lodosas e sem rumo

de águas tétricas, intransitivas

(egressas do pandemônio de ilhas)

borbulhante de íris ardendo e rochas líquidas

de rosto freático e soluto (magmatizadas águas da grega sina)

rio de forjas de ventre e fráguas eternas

 

lívida laguna dantesca.

 

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Textos Agrestes