Murilo Gun

Quem está online

Temos 20 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos

Textos Agrestes



POESIA E PROSA: DESIGUAIS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

É patente a dificuldade de entender poesia porque se quer aplicar a isso a mesma lei da prosa.

Como se poema e texto prosaico (em verso ou não) fossem iguais, porém diferentes. Todos possuem (os leitores poéticos) a neurose da compreensão factual do poema, sua digestão rápida para não se sofrer dispepsia textual. Vamos logo atrás da pepita da mensagem. Bateá-la com um mero olhar na página. E vibrar. É isso.

 

E aquilo. Eis o que diz, afinal, no começo, o poema. Daí a facilidade (ilusa) de traduzir poesia. Basta encontrar equivalentes denotativos entre as línguas. E pronto.

Eis a fonte da má tradução. Os fiéis tradutores buscam essa equivalência precisa. Buscam transmitir a mensagem. Isto é, o conteúdo. O referencial. As denotações.

 

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Instagran Usina VCA