Murilo Gun

Quem está online

Temos 758 visitantes em linha

Assista

Admmauro Gomes

Siga-nos



DESENHAR O MUNDO COMO DESIGNE OU DESÍGNIO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Terça, 01 Outubro 2013 21:44

Cláudio Veras

O mundo, de fato, é um só, porém sua unidade deve ser encarada como uma disposição (as coisas como são ou como se nos apresentam) e não como um desígnio (as coisas como o eu as distinga, como eus e outros as foquem, como leitor modele, esclareça, aceite, isto é, de modo peculiar).

 

 

Em outros termos, o mundo disposto em estruturas familiares (o dos hábitos automáticos e do reles cotidiano) a nós, ou seja, o mundo mundano, arrumado para nós tal qual o vemos, sentimos, pegamos, apreendemos pelos sentidos (falíveis e enganadores). Para assim melhor, e mais produtivamente, nos adaptarmos ao mundo que esteja aparentemente disposto para nós, em sua integralidade (simulacrada).

Isso, a disposição do mundo, facilita sua recepção (aceitação, inclusive) e afasta as incertezas. O mundo como designe, portanto, não parece complexo tanto quanto o mundo como desígnio, com o qual intentamos interagir ativamente, experimentá-lo testando, conhecendo-o.

O papel da prosa (nesse contexto) no mundo é eivá-lo de humanidade, domá-lo, arrumar o caos tal como ele se nos apresente ou se disponha, dando-lhe forma. O da poesia transgredir a disposição do mundo (porque falsa ou aparente, superficial, operativa ou interessada) e transformá-lo poeticamente, dar-lhe nova e real forma. (Voltá-lo ao caos inicial, a Deus, ao Verbo).

Enquanto que a disposição (designe) do mundo visa a nos familiarizar e quase automaticamente (pela via da educação e império de leis) nos adaptar. O mundo como desígnio objetiva nos desautomatizar dele mesmo, e ser realmente humano, criticamente humanos. E essa a tal filosofia que embasa a Poesia Absoluta.

A poesia concede o instrumento para o homem ter (libido) liberdade de encarar e conceber o mundo e vê-lo de modo diferente daquele a que nos acostumaram a aderir (por vontade alheia, produtiva). A adesão ao mundo com a disposição ideológica necessária(?) Ao mundo tal como se ofereça, se disponha ou é disposta a nós, é vital a todos.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar