Murilo Gun

Quem está online

Temos 23 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos

Textos Agrestes



O POEMA DECLINA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

O poema declina

de toda responsabilidade

com leitor casto, inocente, imediato

voltado a sílabas ou colisões de sons finais

não votado ao objeto

desenhado pelas palavras.

Leitor preocupado por

palavras precisas

bem colocadas, encastoadas, eucásticas

familiares como uma cadela d’água

o poeta declina

de qualquer responsabilidade

com leitor canhestro, exausto

ante a primeira palavra que desconheça, encanto

leitor bem comportado incapaz

de ousadias exegéticas (o que é isso?)

leitor culpado pelo bom gosto exato

asséptico pasteurizado

vespertino leitor coitado.

 

O poema declina como céu no pátio

inclinando para o alto do tempo passado

a cordas e trapos

pois poema não educa, mancha

não purifica a página, perverte-a.

Ante aturdido céu que que declina

pátio parece chão de estrelas

em cachos

pedra educada e alta

é lua sacrificada

em nome de namorados

lua desenhada para sáudio

de serestas sem data.

 

Haverá poesia enquanto

o desconexo, a impossibilita

que a impregnam de verdade escura

ponteaguda, não comensurável

sem rendas ou mesuras românticas

pulverizadas de cáusticas auras

pobre de esgotos de imagens.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Instagran Usina VCA