Murilo Gun

Quem está online

Temos 30 visitantes em linha

Enquete

O que você achou do nosso site ?
 

Assista

Parceiros

Admmauro Gomes

Siga-nos

Textos Agrestes



PROÊMIO A HOLDERLIN PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   

Pendula hora

pera do tempo ondula

areia se precipita

da ampulheta fatídica

para veia da vida

linha conforma trânsito

da sina pelos becos da mão

 

tempo namora estrelas

sopro celeste ecoa

barro aprende a ser.

 

A Holderlin que num íntimo

átimo lúcido sopro

ante precipício louco

que o tragou

instante antes de penetrar treva

entoou órfico hino à vida plena

uivo à consciência humana rastejando.

 

Que paire sempre

por pássaros de seda e pedra

ou pela face extrema do homem

essa canção primal e crua

a ressoar sem fim ou cabo

em cada sítio selvagem do espírito

em cada fração sublevada do ser

em cada poema do mundo.

 

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

INFORMA DIGITAL

Revista Urubu

Singular

Papel Jornal

Jornal O Monitor

Instagran Usina VCA