Murilo Gun

Quem está online

Temos 15 visitantes em linha

Assista

Admmauro Gomes

Siga-nos



Diversos
DEPOIMENTO DO PAI - Vital Corrêa de Araújo PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Sexta, 04 Julho 2014 13:03

No Jornal do Commercio, edição 11/05/2014, Murilo Gun declarou que o trabalho dele, na Internet, começou – 6 meses antes da própria Internet começar – quando, aos 9 anos, ele recebeu um computador potente, que custou cerca de 2.000 dólares, à época, 1993, e, afirma ele: ''meu pai me deu a chance de errar. O computador não era da família.

 
É UMA AMEAÇA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Sexta, 04 Julho 2014 12:59

Sylvia Beltrão


Ser poeta é conseguir pegar o sol com as mãos nuas e colocá-lo em um pedaço de papel, ao ponto de cegar os olhos do leitor com seus raios metafóricos, ou abrilhantar de emoção um coração sofrido. É tirar de dentro de si aquilo que grita e ninguém consegue escutar, e este grito passa a se chamar verso.

 
NINGUÉM NASCE POETA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Sexta, 04 Julho 2014 12:58

Admmauro Gommes

Ninguém nasce poeta. Aos poucos é que o desencanto ou o reencanto da vida apresenta-se sob outra face do entendimento e vai-se compondo o novo mundo do ser que vê os fatos com o olho torto (como diria Manoel de Barros).

 
INDEFINÍVEL PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Sexta, 04 Julho 2014 12:56


-
Jailton Ferreira/FAMASUL

Difícil a missão de definir o indefinível. Mas, um poeta é um ser que pensa, que reflete, que inventa, que sabe... e mistura tudo com uma maestria que o eleva ao estado da arte. Que cria, que recria, que atinge os mais altos planos do dizível e do indizível. Nesse último caso, o faz com palavras; e isso o que lhe torna POETA.

 
O PRIMEIRO OVO FECUNDADO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Sexta, 04 Julho 2014 12:54

Vinicius de Moraes

Quantos somos, não sei... Somos um, talvez dois, três, talvez, quatro; cinco, talvez nada
Talvez a multiplicação de cinco em cinco mil e cujos restos encheriam doze terras

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 4 de 19