Murilo Gun

Quem está online

Temos 30 visitantes em linha

Assista

Admmauro Gomes

Siga-nos



LinkLoko 1
ATÉ MIL VEZES MAIS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Segunda, 12 Agosto 2013 19:31

Ademac Gommes

 

Sem rima, sem pé e sem cabeça

a mil por horas estou

vi tal deslumbrante saber

descobrindo facetas do que restou.

 

 
AS MÚLTIPLAS GALÁXIAS NA POESIA DE VCA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Segunda, 12 Agosto 2013 19:29

Manoel Neto Teixeira

Vital Corrêa de Araújo, poeta/escritor, com domínio pleno da linguagem, no duplo mister, se enquadra perfeitamente na concepção de que a poesia moderna é mais que uma técnica, uma religião, talvez uma revolução original e definitiva.

A produção artístico-literária de VCA não se enquadra nessa ou naqueloutra escola, não encontra limites no tempo e no espaço; alça vôo próprio, independente, algo novo, com um quê de libertário e sagrado.

 
ARCO DO TEMPO PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Segunda, 12 Agosto 2013 19:27

Reinaldo Tenório de Moura

O instante rompeu o real

Fugiu para o éter

No arco do tempo

Na curva do espaço

Na ponte dos pontos

Que leva o presente

Que traz do passado

Antecipa o futuro

 
APRESENTAÇÃO DO ID (VITAL) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Segunda, 12 Agosto 2013 19:26

Roberto Cavalcanti de Albuquerque*

Id, o novo livro de Vital Corrêa de Araújo, passa a integrar obra poética já vasta: original, complexa, surpreendente, mutante. Obra a um tempo una e múltipla. Que se situa além dos limites confusos e atribulados da cansada pós-modernidade. Confirmando seu autor entre os melhores poetas pernambucanos, brasileiros, de língua portuguesa da atualidade.

Seguindo Freud e Jung, Vital Corrêa de Araújo vê no Id o reservatório da energia psíquica, das pulsões inconscientes de vida e de morte: É de riquezas sem conta: impulsos recalcados, forças arcaicas, conteúdos profundos, tempos ancestrais – o reino dos arquétipos que formam (e deformam) nossas vidas. Todo um mundo de forças inconscientes, misteriosas, selvagens pode irromper de súbito, de dentro de nós. Mais fortes que o Ego, ele aflora o consciente, superando as interdições do Superego.

 
Ao invés de achar luz PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Segunda, 12 Agosto 2013 19:23

“Ao invés de achar luz

que céus inflame

somente achei

moléculas de lama.

E a mosca alegra da putrefação” Augusto dos Anjos

 

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 7 de 12