SENTIDO DA VIDA Versão para impressão
Escrito por Administrator   
Sexta, 15 Março 2019 13:52

Todo sentido se perde e regressa ao nada

o edifício de palavras que bálsamo

da rima amacia e confina

e deuses compassivos não endossam

porque na outra margem do tempo vive a dúvida

e fel da conjura ou mel abstêmio não desistem

ou quinquilharia do urro ou astúcia do verbo

ou o surdo eco pousado na garganta do grito

jamais se eivarão do manancial do silêncio

que incontenha a música do fim.

 

E nada ficará sem resposta para sempre.

 

Nem os vitrais cegos da cidade

ou os rios urbanos apodrecidos

nem as formas infecundas de sempre

ou mirabolantes histórias sentimentais.