IMPROVISO Versão para impressão
Escrito por Administrator   

Musa de batatas

rodeadas de lacaios pálidos

eu te invoco!

Demônios de amido

duendes de quiabo

eu lhes imploro:

venham a esta mesa faminta

para um festa comunitária.

 

Ó dama untuosa

filha do cominho e da caçarola

baixa nesta ilustre terrina

cheia de crianças redondas

e sirva a ração

de sonhos ao poeta

e poemas a crianças sinceras.

 

Que todos venham festejar

jantar com Murilo

e seus amigos lendários

da Escola Conviver

e do catecismo sagrado.

 

Começa o banquete marcado

e eis que avança

para o prato mais alto

Sancho Pança de Palito

assustado com o garfo.

 

E a farra vai à frente

quando surge de repente

o Visconde de Cabidela

conversando alto potoca

com a Condessa de Cocada

à beira da panela.

 

De cabeça da mesa desponta

Marquês de Tripa Assada

que mastiga epítetos de cebola

e odes de canela picada

antes de beber gole

de acerola e vinagre.

 

E o cortejo de pratos raros

segue incessante:

10 bandejas de rimas bem passadas

sopa de acepipes e sonetos brancos

uma terrina de substantivos abstratos

verbos de beca e toga

dentro de um jarro roxo

adjetivos de cartola e gravata borboleta

advérbios de fraque e bigode torto.

 

E todos comem

até os móveis da sala

depois da salada.