AMOR Versão para impressão
Escrito por Administrator   

Amo a treva. E seus olhos longos e lânguidos como ângulos

Sonho com o artelho de Aquiles a cada manhã

amo cheiro de terra e inferno (que suguei

de um canto de Dante)

 

amo manoplas e decretos

vidro de missas, águas vândalas

decúbitos em progresso

nuvens natalinas

cornucópias estéreis

lampejos quebrados

rimas estragadas

e sabores de dor

além de sabres habitando a carne.

 

Amo frasco de bromil e centopeia em abril

amo fontes vazias e desertos amplos

sobretudo amo as formas da guerra

e distúrbios vermelhos.

Amo bolor e confete amarelo

jardim fanado, verão desolado

hóstia de sal, serpente eriçada.

Amo saber que o amor não virá a tempo.