DOIS POEMAS INSPIRADOS EM ADMMAURO GOMMES Versão para impressão
Escrito por Administrator   

Quando o gato de Bloom guindou seus ávidos

olhos gulosos (ou envergonhados) para mim de súbito

azul li um verso absoluto... e ele desviou

a visão que tive de um anjo de veludo andando.

 

Fui então a olhar o telhado tranquilo

onde pombos arrulhavam-se (à Valéry)

e a pluma do voo como sopro esfumou o céu

de azul abril indo juntar-se a uma nimbo alto.

 

A revoada gerou um surto de carbono.

As asas pareceram penachos de graxa.

 

(Depois de poema notei – e anotei obviamente bem

que o voo parecia nu – ou mesmo árido.

E nada árduo).