ÍGNEA ÁGUA Versão para impressão
Escrito por Administrator   

Fogos fugiram como ralos de ratos

a nave do corpo abandonaram.

Cálamo imóvel vai ao mistério

 

 

(infernal) do espírito e acorda

os demônios da imaginação.

 

A eretos paraísos, escombros e coivaras

de mim mesmo voo

 

surdo aceno aos estigmas do prazer

(encarnados como romãs, vivos como rosas)

e me demito da condição primal

me absolvo de todo inumano que sou.

 

Me doe amor sem rumo

ermo amor me toma as rédeas da alma

a morte da pele me rói

como verme ou incansável ferida

(amor me ulcera o espírito).