ACASO NARCISO Versão para impressão
Escrito por Administrator   

Quando Narciso olha

seu olhar, nele, vê-se

a si mesmo e a outro

no insucessivo tempo.

 

Na pupila d’água

seu rosto jaz

já perfeito e desfeito

sem retorno ou alento.

 

Seu líquido olhar paira

trai no espelho d’água

ele (e outro o mesmo) rosto

que logo se desfaz e fica eterno.

 

A vital imagem do outo em mim

no texto áquo do rosto  Narciso

na água paira como espírito de si

e destroçado ressuscita a página

 

não mais de água, mas de palavra

a que deve sua intensa eternidade.

Sou o que amo em mim, texto aquático

reflexo do vir, ilusão impassível, sim.

reflexo do vir, ilusão impassível, sim.

reflexo do vir, ilusão impassível, sim.