A TUA INSÔNIA Versão para impressão
Escrito por Administrator   

Insônia não tem úmero, sexo, data, forma, tempo

é estéril, indocumentada, insistente, pastosa

criada por ímpetos disfarçados de pesadelos

sai às pencas do naipe dos olhos.

Não há brecha ou tímpano que o impeçam

Aloja-se na liça dos lumes, na órbita do globo

e no íntimo do cristais cujo

se devolve, sonolência, a caricia cristais

insônia habita âmbito de cálcio, aveia, tiaras

cardumes marítimos, ecos de búzios trêmulos ou ávidos

insônia das ondas, conchas, ares marinhos

habita umbrais  sem nome, cornijas da tarde, átrios

nada sacros, êmbolos, catracas, escombros

e vômitos da manhã, resiste a suor de infernos

 

a pipocas, pirulitos, relâmpagos (e dores de alfenim)

a cenas pornográficas, orgias e distúrbios

mesmo a eréteis disfunções resiste

sem contar piras semestrais, rotinas e ratos

a insônia é cívica, arquetípica, pútrida.

Além de irritável e indecorosa.