VERDES BARONESAS Versão para impressão
Escrito por Administrator   

Baronesas cruzam

em procissões flutuantes

pomposo cerimonial

sob guante do verde

em lenta navegação pianíssima

todo o mar do lago matinal

até que as âncoras

do crepúsculo as sustenham

ou no cais dos olhos se estraçalhem

à força do ocidente tenaz

vogam greda afora noite adentro

até que aurora arrebente

grades noturnas e liberte

as baronesas do açude

(de Apipucos).

 

Do bar poético Porto Verde (sugestão de VCA)

com Edgard Powell e

outros poetas bêbados - 1996